Translate this Page

Rating: 2.2/5 (240 votos)

ONLINE
1





Partilhe esta Página


16- Qual foi o pecado de Adão e Eva?
16- Qual foi o pecado de Adão e Eva?

Há muita gente que diz que o pecado de Adão e Eva foi pecado  de ordem sexual. Não é verdade; não está na Bíblia. Pelo contrário, a Bíblia diz que Deus criou o homem e a mulher e deu-lhes ordem para terem muitos filhos: "Sede fecundos e multiplicai-vos" (Gn 1,28). Portanto, a ordem para uma vida sexual entre eles é anterior a uma transgressão que vem narrada depois (Gn 3). Além do que, para ser pecado sexual, deveria haver proibição de Deus nesse sentido. E não há. Há, pelo contrário, ordem de Deus para o casal procriar, ter filhos, constituir família.  

Certamente os elementos: nudez-não-percebida e nudez-percebida, fruto proibido, serpente (como símbolo fálico) é que condicionaram tal interpretação. Já vimos acima o sentido desses símbolos.

Nada têm eles a ver com a vida sexual.  Então: qual foi o pecado de Adão e Eva? O que é o pecado original?

A Bíblia não diz qual foi o pecado de Adão e Eva. E nem podia dizer, pois o primeiro pecado, ou o "pecado original", embora seja real, não é aferível historicamente, isto é, não pode ser comprovado com documentos.

O autor bíblico não está querendo também descobrir qual o primeiro pecado do homem. Nós é que damos ao texto uma interpretação que é estranha para o próprio autor. A intenção dele é outra: ele não quer provar nada e nem quer demonstrar que houve pecado que se teria transmitido de pai para filho; ele apenas constata que há pecado
no mundo; constata que existe em cada pessoa a misteriosa e inexplicável tendência para o mal. Diante da lei de Deus, o homem é tentado a escolher o mal e não o bem. É isso um mistério profundo que se esconde no coração do homem."[1]

A narração bíblica sobre o pecado original é montagem literária feita sobre uma grande verdade: o homem pecou, errou no passado porque ele peca e erra no presente. Essa tendência e essa inclinação de todos para o mal, exigem que tenha existido um mal de raiz, um erro inicial, "uma ruptura do homem com sua Origem, que é Deus".[2] E como todos pecamos, essa inclinação está no coração de todos. Ela  é passada a todos. Essa é a constatação que o autor bíblico faz, e é  verdade. E para retratar tudo isso, o autor bíblico usa a linguagem simbólica e elementos de sua cultura: nudez, voz de Deus, esconder-se de Deus etc., como vimos. Para o autor, todo homem é Adão, isto é, pecador.

Não se pode, pois, responder à pergunta: "qual foi o pecado de Adão e Eva?" Primeiramente, porque a Bíblia não o identifica, e depois porque não é intenção do autor identificá-lo também. E nem poderia fazê-lo: além disso, o pecado é detectável, percebido, sentido por todos e por cada um de nós, mas não é aferível historicamente, como se disse. Em outras palavras: o pecado de Adão e Eva é histórico no sentido de real e não aferivel,comprovado, documentado.

Muitos autores dizem que o pecado original foi ato de desobediência à lei de Deus. Mas não esclarecem qual lei seria essa e nem qual teria sido a proibição. Talvez, quando o homem se percebeu dotado de inteligência e de vontade quisesse experimentar sua capacidade de decidir, indo contra a vontade de Deus que o queria feliz. Sua experiência foi escolha errada que o infelicitou e marcou para sempre. E apesar de todas as amargas experiências anteriores, o homem quer sempre experimentar! O pecado original, então, não  existiu, mas existe; não aconteceu, mas acontece. Talvez esteja aí a chamada "desobediência à lei de Deus", considerada o núcleo do pecado. Essa desobediência, esse erro inicial, primordial, é chamado "pecado original" porque está na origem, no começo da humanidade; é uma "força perigosa e ameaçadora e da qual cada geração é  responsável, inclusive a primeira"[3]


[1] Cf. C. MESTERS, Paraíso terrestre: saudade ou esperança>, pp. 57-61

[2] Cf. C. MESTERS, op. cit., p. 97

[3] Cf. MESTERS, op. cit., p. 64

____________________________________________________________________________________________

II Parte

No início Deus não proibiu o acesso à árvore da vida, mas isso ocorreu só depois que Adão e Eva pecaram. Entendo que a árvore da vida permitiria ao homem viver indefinidamente. Gên_2,9 E o SENHOR Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.

Acredito que a primeira opção de Adão e Eva devia ser correrem comer da árvore da vida, pois Deus não proibiu o acesso a ela, mas apenas à arvore do conhecimento do bem e do mal. Infelizmente foi a esta que eles foram, desobedecendo uma das ordens que Deus lhes havia dado. A outra foi para que tivessem relações e procriassem, o que só acabaram fazendo depois de expulsos. Tudo indica que Adão e Eva não tiveram nem tempo para isso, pois tão logo foram criados, caíram em desobediência.

Só então Deus barrou a entrada deles no Éden, pois se comessem da árvore da vida naquela condição de pecadores, viveriam para sempre nessa condição de separados de Deus e espiritualmente mortos. Pense nesses filmes de zumbis e você tem uma ideia aproximada do que seria viver para sempre neste corpo corruptível e não conseguir morrer. Gên_3, 22-24 Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente, E havendo lançado fora o homem, pós querubins ao oriente do jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida.

A árvore da vida reaparece em Apocalipse como um meio de se obter saúde perpetuamente enquanto se vive na terra. Ap_22, 2 No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações.